Olá e saudações de Mindrolling.

Espero que cada um de vocês, vossas famílias e amigos estejam bem e a cuidarem-se durante esses tempos difíceis e incertos causados ​​pela pandemia do Covid-19. O mundo inteiro está agora em diferentes graus de caos, confusão e sofrimento e é uma época em que os ensinamentos de compaixão, sabedoria e consciência são mais relevantes do que nunca. Muitos dos nossos sábios mestres abordaram estes tempos difíceis e forneceram as orientações muito necessárias através dos seus ensinamentos e mensagens em várias plataformas. E assim, sinto que não posso oferecer conselhos melhores ou mais úteis do que tudo o que foi apresentado de maneira tão eloquente e bondosa por todos os nossos mestres maravilhosos.

Hoje estou simplesmente a enviar esta mensagem para compartilhar alguns dos meus pensamentos e, especialmente, para dizer que todos vocês estão muito presentes em meus pensamentos e orações o tempo todo.

Muitos de nós agora estão a adotar um ritmo de vida diferente e a acostumar-se a palavras como quarentena, bloqueio, toque de recolher, desligamento, isolamento, distanciamento social e assim por diante. Também vimos pessoas em todos os lugares a sentir os efeitos dessas palavras e também com medo de serem infetadas pelo vírus.

O termo “distanciamento social” é um termo muito interessante que nos mostra como rotulamos as coisas e nos apegamos a elas, dando, consequentemente, muito poder ao rótulo. Termos como distanciamento, isolamento, quarentena, bloqueio etc. parecem tão restritivos e parecem agentes de solidão e inércia. No entanto, de certa forma, pode ser um momento para realmente parar todo o movimento à nossa volta e apenas olhar atentamente para o mundo em que vivemos e sentir a unidade da experiência compartilhada e a verdade infalível da origem interdependente.

De certo modo, a própria palavra “isolamento” pode então transformar-se num agente de abertura – um meio de sentir-se interconectado em todos os sentidos, para melhor ou para pior. Esse pode então ser um terreno fértil para empatia, compaixão e revitalização do nosso próprio caminho espiritual. O “isolamento” pode ser simplesmente “retiro”, uma maravilhosa oportunidade de refletir e trabalhar para alcançar o conhecimento do Dharma que acumulamos ao longo do tempo.

Parece que não poder sair pode trazer muitos problemas e dificuldades para muitos. Existem tantas ramificações de um bloqueio ou paralisação que podem gerar muita luta e muitas dificuldades. A todos que enfrentam tais adversidades, enviamos todo o nosso amor e orações e esperamos que encontrem forças, coragem e recursos para superar essas dificuldades. Tomem muito cuidado. Lembrem-se de que os mestres sempre disseram que o único aspecto positivo do sofrimento é que ele também é impermanente. Isto também vai passar.

Que vocês possam encontrar bondade a todo momento e que vocês sejam veículos para trazer alívio e conforto aos outros!

Muitos de vocês me perguntaram o que podem fazer durante o tempo em que estão em suas casas em confinamento. Tudo o que posso dizer é prática. Pratiquem os ensinamentos que receberam até agora. Dediquem tempo à prática e à meditação. Muitos de vocês costumam dizer-me que não têm tempo para fazerem um retiro. Pois bem, agora têm tempo para fazerem mais sessões de meditação, lerem e estudarem os ensinamentos para os quais sempre desejaram ter tempo. Agora é uma boa hora para acalmar a mente e não deixarem que um tsunami de emoções e de medo assuma o controle. Aproveitem o tempo para ficarem em quietude e silêncio. Porque a partir da quietude desenvolvem-se abertura e clareza. Vamos tentar cultivar isso em vez de ceder ao medo e deixar que a negatividade se apodere de nós. Tentem passar um tempo em meditação e com as práticas com as quais se sentem mais conectados. E, como sempre, desenvolvam o Bodhicitta e deixem que isso seja a base de qualquer atividade espiritual. Supliquem aos budas e Bodhisattvas por proteção e para que a sabedoria prevaleça e aprendam de todo o coração, tomem Refúgio.

Também a um nível prático, descubram algo novo sobre vocês mesmos. Talvez seja a hora de desenvolver um hobby ou interesse que sempre tiveram, mas para o qual nunca conseguiram encontrar tempo. Talvez haja um incrível chef, padeiro, artista, linguista ou dançarino em si. Tentem não ficar muito sérios e mantenham sempre o sentido de humor. Se estiverem com o vosso companheiro ou companheira, ou com familiares, aproveitem o tempo que têm com eles. Amem e apoiem-se uns aos outros e sejam generosos e pacientes. Eles podem acabar por ser os melhores alvos para as seis Paramitas em aplicação!

E o mais importante, em todos os momentos, examinem sempre a vossa própria mente. As últimas semanas também me deram um vislumbre da mente de alguns dos praticantes que eu conheço. Alguns, com um forte sentido do Refúgio e mentes bem trabalhadas, conseguiram aceitar este desafio no seu caminho. Foi encorajador ver como eles foram cuidadosos e responsáveis, como estenderam a sua ajuda a outras pessoas, e como se pousaram em prática silenciosa.

Ao inverso, outros houve cujas mentes optaram por se contrair em autocomiseração e permitiram que o medo se instalasse. É importante que tudo o que ouvimos e estudamos seja aplicado em tempos de dificuldades e confusão. Se a primeira coisa que deixamos de lado é empatia e compreensão da visão do Dharma, quando surgem desafios, de que serve a prática espiritual?

Ontem, li a história de um padre de 72 anos na Itália que desistiu do seu respirador para um paciente mais jovem e morreu. Embora muitos não tenham a coragem e a compaixão para um tal grande ato de bondade, todos nós podemos fazer o máximo possível para fazer com que seja um pouco mais fácil respirar, para nós e para todos os que nos rodeiam.

Encorajo cada um de vocês a gerar inspiração e clareza de espírito para transformar esse desafio que enfrentamos hoje numa oportunidade de realizar o Dharma e trazer compaixão em ação. Vamos todos juntar-nos na construção de uma força de consciência em que compaixão e sabedoria são não meras palavras inteligentes, mas se manifestam como nossas qualidades verdadeiras inatas. Cuidem-se e cuidem das pessoas em vosso redor. Riam, descansem, desfrutem do silêncio e do não-movimento e relaxem na natureza fundamental da mente, que é simplesmente como o vasto céu sem limites.

Jetsunla e eu enviamos a cada um de vocês os nossos pensamentos, orações e todos os melhores desejos. Nós especialmente oramos e mantemos presentes todos aqueles que estão doentes e os que já faleceram nas últimas semanas. Pedimos que estejam atentos às vossas responsabilidades sociais e se abstenham de todas as ações que afetam outras pessoas e espalham a infecção. Também vos lembramos que estejam vigilantes nas vossas comunidades para garantir que aqueles que precisam de ajuda com alimentos e outros itens básicos sejam ajudados da melhor maneira possível. Sempre que o medo ou a ansiedade tomarem conta, voltem a vossa mente para o interior, estejam cientes da presença do Guru Rinpoche e recitem a Súplica das Sete Linhas.

Por favor, tomem muito cuidado e saibam que estamos a pensar em vocês. Vou tentar manter contato sempre que possível.

KR